Primeiro disco dos Raimundos completa 20 anos


 

Antes de Jesus: Rodolfo, Fred, Canisso e Digão apavoraram a piazada.

Antes de Jesus: Rodolfo, Fred, Canisso e Digão apavoraram a piazada.

 

Era maio de 1994. Ayrton Senna tinha recém partido, o Brasil entrava na Copa do Mundo dos Estados Unidos meio com 99,9% do povo reclamando da escalação do Parreira e no rock, muito pouco empolgava com certa relevância. O pop estava em crise, mas um disco começou a pipocar nas festinhas e no colégio. Na realidade em 1994/1995 dois discos eu descobri assim, o primeiro dos Raimundos e o primeiro dos Mamonas Assassinas. Com 14 anos, a gente queria ouvir rock, queria ouvir besteira, putaria, sacanagem. O primeiro disco dos Raimundos me soou assim. Muita putaria, muita sacanagem e um hard core porra lôca com sotaque nordestino. Mesmo sendo um rapaz latino americano do sul, a ideia foi ótima e não demorou muito para que os Raimundos fosse a coqueluche daquele ano. Nada de Legião Urbana, Skank, Cidade Negra, o pop rock que a piazada ouvia naqueles tempos era dos Raimundos.

Para um garoto, a primeira faixa, “Puteiro em João Pessoa”, abre o disco e mostra logo de cara mostrar para que veio. O som é pesado, a letra é para lá de sarcástica, safada e sem vergonha e segundo consta, a história de Dudu (o próprio Rodolfo, vocalista da banda) e seus primos mais velhos, Augusto e Bessenger levam o então garoto Dudu para um puteiro, descobrir que a vida é boa, a sua primeira vez. O disco segue o ritmo e a sacanagem, o peso foi fundamental. Em Santa Catarina os Raimundos fizeram algumas aparições naquele ano. A mais antológica foi em novembro, quando abriram para os Ramones na Santur. Um show incrível, que pouca gente acredita que aconteceu.

Nos discos posteriores os Raimundos foram absorvidos pela grande mídia. As turnês ficaram maiores, o cachê ficou enorme e a banda começou a inclusive ficar chata, porquê estava em tudo. Desde programas de televisão a qualquer festival. Lá estavam os Raimundos. Quando Rodolfo, vocalista da banda, anunciou sua saída pois havia se convertido para uma denominação evangélica, muitos pensaram que a banda iria parar. Ledo engano, o Raimundos tentou um pouco com um novo vocalista, mas o próximo a deixar o grupo foi o baterista Fred. Digão e Canisso seguiram, tocaram onde pagam o pão que o diabo amassou. A redenção veio em 2014 mesmo, com o lançamento do último trabalho. O Raimundos tem já 20 anos, mas nunca desiste. Os fãs agradecem.

Comente

Cometários