Category: Álbuns Clássicos

Rock Band The Beatles: está chegando a hora

brbjun091

Seja um Paul, George, Ringo e John tocando no Japão em 1966

09.09.09 é o dia do lançamento mundial do Rock Band The Beatles. Um dos jogos da linha Rock Band, Guitar Hero mais esperado dos últimos tempos.  Tá certo que tudo que cerca os fabfour é supervalorizado, mas vou dar minha pequena contribuição nessa importância. 

Eu não sou um gamer. Parei no Mega Drive dos anos 1990. Quando veio essa geração de games e consoles de última geração, fiquei à margem disso, só brincando com o negócio na casa de uns amigos. O fato é que essa linha de jogos foi extremamente benéfica para o rock mundial. Eu digo isso, pois há muitos anos o rock anda meio pra baixo. Não temos mais aquela geração de bandas surgindo e deixando a mulecada alvoroçada. 

Com a vinda de jogos como o Guitar Hero e o Rock Band, homenageando bandas com seus grandes clássicos, o rock toma uma importância fundamental num meio nerd ao extremo: os games. Os jogos que já trouxeram músicas de bandas como Aerosmith, Jimi Hendrix e agora The Beatles, estão levando a mulecada no mundo todo a conhecerem o verdadeiro rock and roll mundial. Já conversei com amigos que priminhos e irmãos mais novos estão loucos da vida só em jogar e depois os mais espertos, começam a se interessar pelas bandas.

Com o Rock Band The Beatles não será diferente. A maior banda de rock de todos os tempos está muito bem representada no game. A sensação de realidade é imensa. A fidelidade dos lugares e fatos é impressionante. O Cavern Club, o Ed Sullivan Show, o famoso concerto para 60 mil pessoas no Shea Stadium, os shows derradeiros no Japão no Nippon Budokan Hall, as paredes do estúdio Abbey Road e muita, mas muita viagem psicodélica como nas imagens mostradas de The Walrus e Here Comes The Sun. 

O Rock Band The Beatles é um marco dos jogos, mas também da música pop. Ela chega muito longe quando se é bem feita e quando se é um legado. Os Beatles iniciaram a carreira há 50 anos em Liverpool, tocando em lugares horrendos, pulgueiros fedorentos, pubs com gente bêbada, drogada e arruaceira. Elevaram a música pop de qualidade a um status comercial. Foram os reis do iê, iê, iê e acabaram numa briga fodida, mas deixando um belo testamento, o álbum Abbey Road, de 1969, que neste ano completa 40 anos. 

Viva os Beatles, viva o Rock Band e viva Santa Catarina!!!! (hahahahahahhahahaha)

Pacific Ocean Blue: o legado solo de Dennis Wilson

Álbum lançado em 1977 pelo baterista dos Beach Boys

Todo mundo conhece a genialidade dos Beach Boys na pessoa do baixista Brian Wilson. Mas poucos conhecem o trabalho de Dennis Wilson, irmão do meio do clã Wilson, que comandava as baquetas dos Beach Boys e que pouco participava da banda como letrista ou até mesmo cantor. 

Dennis foi uma figura inquieta na banda. No fim dos anos 1960, virou chapa de Charles Mason, aquele da seita maluca que pirou com Helter Skelter dos Beatles e matou a atriz Sharon Tate e mais uma porrada de gente. Wilson, como todo Wilson que se preze, afundou nas drogas no período, tendo como janela de criatividade artística no meio dos anos 1970, quando resolveu gravar o seu álbum solo. 

Desde que comecei a fuçar sobre música, eu soube da existência do álbum Pacific Ocean Blue, de Dennis Wilson, mas como sempre fui vidrado em Beach Boys e com pouca grana para encomendar um álbum do exterior ou adquirir em alguma baiúca da Galeria do Rock, preferi sempre deixar a coisa postergar. Eis que surge em 2008 a oportunidade de ter o álbum. Baixando ele na internet. Achar o disco para baixar na net não foi fácil, foi necessário a própria família de Wilson criar um fato novo. Relançar Pacific Ocean Blue em 2008, com faixas bônus e parte do disco “Bambu”, que Dennis estava gravando um pouco antes de falecer afogado no mar, aos 39 anos, logo ele, o único beach boy que realmente era surfista. 

Cobranças menores e genialidade em álbum pouco conhecido

O álbum remasterizado saiu pela Sony/Sundazed Records e por isso foi fácil achar na web, antes eu realmente não achava. O disco foi um lance quase solo de Dennis. Carl Wilson, outro integrante dos Beach Boys e irmão mais novo, deu uma força. Na realidade depois que Brian Wilson pirou o cabeção em 1967, foi Carl que assumiu toda a história dos Beach Boys, principalmente nas turnês. 

Mas voltando em Pacific, o disco é uma obra prima em termos musicais e de letras. Um álbum pop muito diferenciado e que refletia bem o som que se fazia nos Estados Unidos naquela época. Como disse Kid Vinil em seu blog, comentando sobre POB, o álbum solo de Dennis Wilson é tão essencial quanto o clássico Rumors, do Feetwood Mac. É mesmo de se assinar embaixo. 

O álbum começa com a excelente “River Song”, que segue uma bela linha harmônica vocal, pegando elementos do som dos Beach Boys e daqueles corais de gospel americano. O vocal rasgado, rouco de Dennis empolgam já nas primeiras palavras. O som ensolarado, torna-se bucólico e sentimental ao longo de todo álbum. Pacific Ocean Blue deveria se tornar um disco indispensável para muito do que se faz atualmente no pop e no rock conceitual. Arranjos notáveis e precisão  milimétrica nas faixas. Têm-se a imprenssão de que Dennis fez tudo com muito carinho e também com tempo, aliás, como baterista dos Beach Boys, a cobrança sobre sua alma sempre foi muito menor. Talvez por isso que Brian Wilson tenha pirado, já que as luzes para quem está à frente de uma banda são muito maires. 

 

O pacote remasterizado de Pacific Ocean Blue chegou em 2008 com músicas do inacabado álbum “Bambu”, segundo solo de Dennis. Em Bambu, Carls Wilson tocou guitarra e fez backing vocals, dando em muitas oportunidades a harmonia quase que exata do som dos Beach Boys. As faixas restantes remontam para algo das baladas dos anos 70, com estilo jazz e blues. Com o pack de 2008, os fãs do vinil tiveram tratamento diferenciado pela Sundazed, que lançou uma edição especial com tres Lps em vinil azul.

CONHEÇA O SITE DE PACIFIC OCEAN BLUE

BAIXE PACIFIC OCEAN BLUE – DENNIS WILSON

BAIXE O ÁLBUM BAMBU – DISCO I e DISCO II

The Beatles: baixe versão rara de Revolution #1

Putos um com o outro, os Fab Four ainda produziram o belo White Album

O site TheBeatles.com.br do meu querido amigo baiano JC, o cara que comanda o maior portal Beatle na lingua portuguesa, disponibilizou para download o disco pirata Revolution, do selo Purple Chick. O álbum duplo mostra sessões raras do famoso Álbum Branco, lançado pelos fab four em novembro de 1968. O que mais chama a atenção dos beatlemaniacos é a versão de 11 minutos de Revolution #1, uma verdadeira piração, muito melhor que a enfadonha Revolution #9, pois mostra um trabalho dos próprios Beatles e não aquelas viagens a la Yoko Ono. 

Para bom entendedor, basta baixar e ouvir o que veio de bom nos discos.

Baixe o disco 1 aqui

Baixe o disco 2 aqui

Baixe somente a versão de Revolution #1 aqui

Drops………………………………..1969

# para quem tem mais de 50 anos, o Canal Brasil vai reprisar todos os episódios da clássica série de TV brasileira, O Vigilante Rodoviário. Segundo propaganda do canal, os 38 episódios gravados para a série foram remasterizados e a imagem foi melhorada.  A série foi criada em 1961 por Ary Fernandes e teve como principal ator, Carlos Miranda e o cão Lobo. A série foi transmitida pela TV Tupi e o ator Carlos Miranda, ao final da série, virou um policial rodoviário de verdade.  A série virou cult entre colecionadores de todo o país. Agora com a reprise dos episódios, o Canal Brasil quer mesmo é fazer com que a garotada goste do vigilante Miranda. Difícil vai ser explicar porquê não tem Pokemon nos filmes… 

# ontem falei que Headcutters e Lenzi Brothers vão desbravar SP durante o mês de março. Hoje é a vez de falar do Parachamas, vencedores da melhor demo 2008 do site Zona Punk, anunciar que também embarca para a terra da garoa para duas apresentações. 

Felixfônica com Alegre Correa: clima “alegre” e na paz no Rio Vermelho

# em Floripa a Felixfônica está em estúdio, gravando seu álbum no estúdio do músico gaúcho Alegre Correa, que tem seu “Abbey Road” lá no Rio Vermelho. A banda grava como se fosse ao vivo, pois de acordo com Alegre Correa, o lance do ao vivo tem tudo com o espírito da banda. Tudo vai ser feito lá no estúdio, incluindo mixagem em materização. 

# o disco dos caras foi aprovado no Projeto Pixinguinha, que além da gravação, incluí lançamento do álbum em três cidades, com distribuição de ingressos para alunos de escolas públicas. Floripa, Jaraguá do Sul e Lages entram na parada do Felixfônica. Morando há quase duas semanas numa pousada ao lado do estúdio, a banda vive seu momento de Novos Baianos, com banhos de mar, gravações e jogando uma pelada quando a vida dentro do estúdio vira pentelhação. O lançamento do trabalho será em maio, no Teatro Alvaro de Carvalho, em Floripa. 

Carol e Reinaldo (C) rodeados pelos seus melhores clientes…

# segunda-feira eu estive no aniversário da Carol Bussler, chefona junto com seu marido Reinaldo do JB Rock Pub em BC. Bom, a Carol é minha grande amiga e também incentivadora do Mundo47 e do róque em Santa Catarina. O JB é uma casa que sempre abriu espaço pro independente é a casa de muitas bandas da região 47 para shows.  Nos últimos meses, Carol e Reinaldo andam promovento noites muito quentes no JB e para ela o Mundo47 dá os parabéns públicos e espera que o JB seja ainda mais um espaço do róque na cidade do bate-estaca. 

Patton está de volta com o Faith no More

# como diria o JC do Diarinho. Será que será? a volta do Faith no More é uma possível realidade e Mike Patton, o bizarro vocalista de uma das bandas mais importantes do anos 1990, está armando uma volta do Faith para o verão Europeu. A informação foi espalhada hoje pelo empresário da banda. As datas estão para serem confirmadas.  Patton, que participou do disco “The real thing”, lançado em 1988 com hits como “Epic” e “Falling to pieces”, após o fim da banda, em 1998, se envolveu em outros grupos e projetos solo, como Fantômas, Lovage e Tomahawk. 
A turnê acontecerá apenas na Europa com datas “a serem confirmadas”. Além de Patton, não foram confirmados os outros integrantes da banda que participarão da reunião. A última formação do Faith No More incluía o tecladista Roddy Bottum, o baterista Mike Bordin, o baixista Billy Gould e o guitarrista Jon Hudson.

40 anos da apresentação no telhado da Apple

Hoje fez 40 anos em que os Beatles fizeram seu último show. O encontro foi inusitado. Durante o mês de janeiro, os fab four estavam enfiados nos estúdios da Apple no centro de Londres, gravando o interminável e briguento projeto Get Back, que seria uma espécie de volta ás origens, com os quatro beatles ensaindo e gravando as músicas da banda. Nos discos anteriores, o individualismo foi evidente, como no Álbum Branco, onde cada um gravou a sua parte nas músicas ou músicas totalmente sozinhos. A idéia era união, mas a constante presença da nova namorada de John Lennon, a japonesa Yoko Ono, fez com que as intermináveis sessões do projeto Get Back virassem uma verdadeira sessão psicológica, com os quatro se desentendendo. Tudo foi filmado e em 1970 virou o filme Let it Be, que também virou disco.

Mas enfim. A idéia de Paul McCartney era gravar todo esse processo de gravação do álbum Get Back e tudo culminaria num show dos Beatles. As sessões em janeiro de 1969 foram acontecendo, as brigas foram surgindo e em 30 de janeiro de 1969 os quatro abandonaram a idéia de organizar um grande show de volta, mas sim inusitadamente requisitaram os equipamentos até o terraço do prédio da Apple e lá mesmo fizeram no horário do almoço, uma apresentação de 40 minutos, onde os fab tocaram Get Back três vezes, Dig a Pony, One Other 909, I´ve Got a Feling e Dont Let Me Down.

A curta apresentação foi interrompida no frio, pela polícia londrina, que não gostou nada nada de ver a aglomeração das pessoas nas ruas do prédio. Muitos nem imaginavam que eram os Beatles que estavam se apresentando, pois os fab apenas tocaram músicas novas, todas ainda desconhecidas do grande público. O visual já não era mais aquele da época do Yeah, Yeah, Yeah, mas sim caras barbudos e cabeludos.

Depois daquela apresentação os Beatles ainda se reuniram para terminar o projeto Get Back e em agosto de 1969 o último suspiro, a gravação do maravilhoso álbum Abbey Road, a verdadeira volta dos Beatles à velha forma.

Ronnie Von: 40 anos do álbum psicodélico

A partir de 1999, o Brasil redescobriu os discos psicodélicos de Ronnie Von. Hoje o primeiro deles, Ronnie Von, completa 40 anos neste mês de janeiro. Eu como muitos, redescobri os discos e a musicalidade do principe, a partir de CDs regraváveis, que zanzaram pelo país naquela época. Com popularização do mp3, não é difícil achar o álbum em sites e blogs especializados em música brasileira dos anos 1960 e 1970. 

O texto publicado em SenhorF é uma boa dica de leitura sobre os 40 anos do álbum.

Documentário sobre o disco Paebirú tem trailler no YouTube

Um dos discos mais raros do mundo foi gravado no Brasil. O disco Paebirú, gravado em 1975 por um então desconhecido Zé Ramalho e Lula Cortês, marcou a psicodelia brasileira dos anos 1970. Nos anos 1990, o disco virou um objeto de culto extremo de muitos colecionadores do mundo inteiro. Segundo o site Senhor F, o álbum é um dos itens mais valorizados no psicodelismo mundial. Cópias originais do álbum são muito valorizadas, podendo chegar até  US$ 1 mil. 

Desde 2007, Cristiano Bastos e Leonardo Bomfim estão produzindo e filmando o documentário “Nas Paredes da Pedra Encantada”, sobre o disco “Paebirú – Caminho da Montada do Sul”. O filme tem previsão de lançamento em meados deste ano, mas um trailler já está na web para o deleite de muitos admiradores da música psicodélica.

8 de dezembro: 28 anos sem Lennon

O dia 8 de dezembro é uma data muito especial para beatlemaníacos como eu. É dia de relembrar John Lennon. Neste dia Mark David Chapman deu 4 tiros em Lennon, a sangue frio. 

A figura de Lennon é muito controversa. Um artista que passou os anos de extremo sucesso, durante os Beatles, com angústias e momentos de grande desiquilíbrio emocional, porém um cara que revelou para o mundo, de como é possível ter coerência numa carreira musical brilhante. 

Nos anos 1970, com os atos de pacifismo, a carreira musical foi deixada um pouco de lado. Lennon foi consumido pelo próprio sucesso, pelo alcool e pelas drogas. Yoko Ono, o anjo negro que supostamente foi motivo para fim dos Beatles, se tornou uma grande “mão na roda” para Lennon equilibrar a carreira, a família e as finanças. Em 1980, quando estava pretendendo voltar ao showbizz, Mark Chapman foi o fator fundamental para enterrar de vez Lennon e sua sede de voltar aos palcos. 

Talvez, 28 anos depois, Lennon faça falta para a música e também a política. Eu temo que se Lennon tivesse vivo, seria mais um ecochato ou humanitário de plantão, como vários que apareceram a partir da década de 1980, mas uma coisa eu não tenho dúvidas, Lennon faz falta pela possibilidade de termos uma mente mais criativa no meio disso tudo, o showbizz.

 

POWER TO THE PEOPLE!

 

Morre Mitch Mitchell, ex-baterista de Hendrix

Mitch: foi sim fator importante no som de Hendrix

Foi encontrado morto num quarto de hotel nos EUA, Mitch Mitchell, 62, baterista britânico que tocou na lendária banda The Jimi Hendrix Experience. Mitchell foi achado nesta última quarta-feira e aparentemente o músico morreu de causas naturais, mas apenas laudos médicos irão definir uma causa exata. Ele estava em Portland, no estado do Oregon, onde fazia o último show da turnê “Experience Hendrix”, banda que executava as clássicas músicas de Jimi Hendrix com Mitch na batera.

Mitch Mitchell foi ator mirim antes de se tornar músico. Fez carreira no jazz e no rock. É um dos pais do fusion, mesclando os dois estilos. Em 1966 iniciou a curta carreira com Jimi Hendrix, que acabou em 1970, com o falecimento do guitarrista.

YouTube: Envelhecer é inevitável, mas ser jovem é para sempre

Quando olho para esse vídeo, que tem lá seus 32 anos, vejo Bob Dylan e The Band, artistas que mais admiro entre vários que existem no mundo, vejo que é possível envelhecer com dignidade nesse mundo. Outra visão que se tem deste momento, é que é importante para todos nós, em nossas vidas, virarmos a chave para coisas que caducam e envelhecem. Tudo pode persistir, mesmo assim tem data para ser renovado. Isso vale para o amor, o trabalho, a educação, o seu estilo de vida, até mesmo para seus valores. 

The Band fechava seu ciclo. Desses caras que estão em cima do palco, só Richard Emmanuel e Rick Danko já partiram para o andar de cima, o restante ainda ficou por cima dessa terra para contar história, reiventar o que já fizeram e nos eternizar momentos como este, Forever Young, Jovens para sempre. Nossa sorte que existe invenções como o YouTube, que sintetiza mais ou menos que falei acima, que veio como novidade e se re-inventa a cada dia. O YouTube é a melhor televisão do mundo. 

Eu estou com28 anos e a chave está virando constantemente…

Piá do disco Nevermind refaz a capa. Mais uma vez…

Spencer, 17,  em seu mais recente mergulho atrás da notinha de dólar

 

Não tem. O destino do jovem Spencer Elden, 17 anos, será de a cada 5, 10, 15 anos, reproduzir a foto histórica da capa de um dos álbuns mais importantes para o rock em todos os tempos. O disco Nevermind, do Nirvana, lançado em 1991, trouxe o ainda bebê Spencer na capa. Dentro de uma piscina, o pirralhinho tentava pegar uma nota de 1 dólar. 

Bom, o Nirvana acabou, Kurt Cobain se matou e o cultuado disco, 17 anos depois, ainda é motivo para que Spencer saia de casa e refaça a pose da tradicional capa.  Como a América é um pouco puritana ainda, nas fotos atuais o guri usa bermudas. Em 2001, na ocasião dos 10 anos do lançamento do disco, Spencer fez a foto para a revista Rolling Stone. Agora o pedido foi feito pelo site da MTV norte-americana. 

Para o site, o jovem declarou: “É estranho pensar que tanta gente já me viu pelado – me sinto como a maior estrela pornô do mundo”. Na época, seus pais receberam U$ 200 pela fotografia. 

O negócio é imaginar daqui uns 50 anos, o mesmo Spencer fazendo a mesma foto, só que velho, para alguma publicação do futuro… 

Veja as demais fotos

Original: imagem conquistou o mundo do grunge

 

MEU DEUS!!!! brincadeirinha… 

 

Aos 10 anos, nas comemorações dos 10 anos do disco

 

Até Bart Simpson já buscou uma notinha na piscina

Expresso Rural em Itajaí no dia 16

Na volta do Tschumistock, no próximo domingo dia 16, a noite terá ainda uma opção mais relax para celebrar o final de semana rock and roll a que vou me submeter. O Expresso Rural estará fazendo mais um show no Teatro Municipal de Itajaí, a partir das 21 horas. Aproveitando a banda estará também relançando o CD remasterizado do clássico álbum do Expresso Rural, o disco Nas Manhãs do Sul do Mundo, lançado no finzinho de 1983. Dá um confere no cartaz, essa semana falo mais sobre o show.

Tim Maia pode ter gravado 3° volume do Racional

timamaia.jpg 

O falecido Tim Maia, um dos maiores cantores de soul deste país, autor de grandes clássicos nos anos 1970, sucumbiu entre 1974 a 1976 à seita Universo Em Desencanto. Durante esses dois anos, Tim abandonou as drogas, o álcool e a vida louca com a mulherada, para a total dedicação da sua vida pela seita. Foi ali que Tim gravou os dois melhores discos de propaganda do mundo, os Tim Maia Racional volumes I e II. Porém os discos não fizeram sucesso e Tim se emputeceu com a filosofia Racional e em fins de 1976, zarpou fora da viagem.

No final dos anos 90 a “juventude” mais sensível a clássicos perdidos do pop brasileiro redescobriram os discos da fase Racional e milhares de CDr´s pipocaram pelo país divulgando a filosofia Racional novamente. Agora mais um volume está sendo descoberto pela juventude. A história toda está no blog do Eduardo Marote, respónsável pela descoberta, que relata cinco músicas que possívelmente foram gravadas para uma terceira edição dos discos Racional. São takes de gravações num estúdio no Rio de Janeiro e mostram Tim gravando canções que poderiam figurar no Volume III.

Um link com as músicas foi postado no site Trabalho Sujo, do jornalista Alexandre Matias, onde é possível baixar as músicas que foram descobertas. Ainda há boatos que outras canções estão rodando por ai, porém não se sabe se haverá algum lançamento por parte da família Maia.

Escute as músicas aqui.

http://rs286.rapidshare.com/files/93397133/Tim_Maia_Racional_3.rar